Projetos

A Unidade Domiciliária de Cuidados Paliativos de Alfândega da Fé (UDCP-AF) é uma equipa Comunitária de Suporte em Cuidados Paliativos (ECSCP) que está a funcionar desde Janeiro de 2015. Encontra-se sediada no Centro de Saúde de Alfândega da Fé com protocolo assinado entre a Câmara Municipal de Alfândega da Fé, a Liga dos Amigos do Centro de Saúde de Alfândega da Fé (LACSAF) e a Unidade Local de Saúde do Nordeste (ULSNE). Esta tipologia de cuidados dão uma resposta ativa aos problemas decorrentes de uma doença prolongada, incurável e progressiva, na tentativa de prevenir o sofrimento que ela gera e de proporcionar a máxima qualidade de vida possível aos doentes e seus cuidadores no seu ambiente familiar (domicilio/residência sénior).
Este projeto reforçou a sensibilização para uma abordagem das questões da imigração, e envolveu todos os intervenientes nos processos de decisão, apoio, acolhimento e integração de imigrantes. Esta iniciativa deu relevo ao trabalho desenvolvido pelas instituições locais, regionais e nacionais, destacando boas práticas realizadas no âmbito da integração de imigrantes. O Seminário reuniu técnicos representantes de instituições que abordam estas questões, nomeadamente do Alto Comissariado para as Migrações.
A Liga dos Amigos do Centro de Saúde de Alfândega da Fé em parceria com a Câmara Municipal de Alfândega da Fé juntou-se a esta iniciativa apostando na sensibilização da comunidade escolar, na divulgação através das redes sociais de receitas elaboradas através da reutilização de “sobras” de refeições (sugestões, dicas …) e na recolha de produtos excedentes junto dos pequenos agricultores.
Com o apoio do “Movimento Mais para TODOS” foi possível implementar o projeto Mais Saúde e Cuidados para todos. Neste momento uma equipa multidisciplinar desloca-se a todas as aldeias do concelho de Alfândega da Fé, prestando a assistência necessária à população, em qualquer valência nas áreas de Enfermagem e Fisioterapia.
O projecto irá trabalhar ao nível da protecção e integração social das vítimas, através da criação de um gabinete de apoio à vítima de violência doméstica que forneça um serviço sigiloso e personalizado às vítimas e que permita a reintegração social destas e a reconstrução de um projecto de vida livre de violência.